Mosteiro de Sta. Maria de Alcobaça

Veja a localização no google maps e saiba como chegar

Ver Localização

A Abadia de Alcobaça é um dos mais importantes mosteiros cistercienses medievais. Ao estatuto de monumento emblemático da Ordem durante o século XIII, a nível europeu, juntam-se os de primeira obra inteiramente gótica de Portugal e de segundo panteão da monarquia nacional.

O mosteiro foi fundado em 1153 por doação do nosso primeiro monarca a Bernardo de Claraval. A obra terá arrancado, segundo uma rígida planta Bernardina, em 1178. De acordo com os mais recentes estudos, são três os momentos distintos marcados no monumento. À primeira fase pertence o “traçado geral do convento (…) e a construção da parte mais importante da cabeceira, transepto e coro dos monges. Devido a um mestre francês, a opção foi por uma cabeceira com capela-mor de duplo tramo, ladeada por deambulatório onde se abriam originalmente nove capelas radiantes, de planta trapezoidal com parede fundeira retangular. Uma das suas grandes novidades foi a inclusão de arcobotantes a amparar o deambulatório, solução claramente Gótica e sem paralelo, até então, no país.

Quando a obra chegou ao quinto tramo do corpo, deu-se uma mudança na orientação do projeto. Entre as alterações então efetuadas, salienta-se a diferente elevação das naves, que passaram a estar quase à mesma altura, e a adoção de um repertório decorativo de tendência coimbrã nos capitéis.

Finalmente, os dois últimos tramos e a fachada devem-se a um terceiro mestre, que rematou o conjunto com uma galilé e o atual portal principal, a que se sobrepunha uma fachada em empena. Tendo em conta que o corpo de D. Afonso II foi trasladado para esta galilé em 1233, é de crer que a obra estaria praticamente pronta por essa altura. Apesar destas diferenças, o conjunto impressiona, ainda hoje, pela sensação de normalização dos elementos que o constituem, a que não foram alheias as primordiais diretrizes Bernardinas de austeridade e simplicidade.

A opção pelos capitéis vegetalistas (quase invisíveis na massa vertical de suportes e de paredes) e o ritmo ordenado dos tramos do corpo são a marca mais evidente dessa tendência estética, tão característica dos cistercienses, a que não falta uma sugestão militar transmitida pelo coroamento contínuo de merlões.

Nas primeiras décadas do século XIV construiu-se o claustro, ao que tudo indica com o patrocínio de D. Dinis. Ele foi executado pelo arquiteto Domingos Domingues, cujo nome consta de uma lápide in situ. Artisticamente, é uma obra que denota hesitações de programa e encurtamentos mas cujos capitéis, tematicamente muito variados e de assinalável qualidade técnica, nada têm já de Românico.

Deverá ter existido, todavia, um primeiro projeto de que restam alguns vestígios.

Ao longo dos séculos seguintes, foram muitas as obras e transformações no mosteiro. Como principal panteão régio da primeira dinastia, aqui se fizeram sepultar D. Pedro e D. Inês de Castro, em dois túmulos de qualidade ímpar a nível europeu.

Na época Manuelina registaram-se novas obras, como o átrio da sacristia e o seu decorado portal e, no Barroco, novas realizações de atualização estética. Já Neo-gótica é a sala dos túmulos, aberta para o braço Sul do transepto.

Fonte: IPPAR

Subscreva a newsletter do Cistermúsica